Foto: Tumblr
Textos

O que te move?

E todos os dias saía da faculdade e ia para o metro, para onde todas as minhas colegas se encaminhavam. Mentia diariamente dizendo que teria de esperar pelo meu namorado imaginário. Eu não tinha ninguém.

Ganhar uma bolsa tinha sido um sonho tornado realidade, mas ter dinheiro para pagar um quarto era uma coisa completamente diferente. As poucas explicações que dava a alunos do secundário (os poucos que tinha o prazer de conhecer), nem chegavam para comer durante todo o mês. Aproveitava os lanches que um colega sempre levava para todos. Muitas vezes, não comia na hora. Guardava para aquelas alturas críticas do mês. Fora as folhas pagas da universidade que custavam quase todo o dinheiro que tinha.

E calmamente as pessoas dirigiam-se para as suas vidas monótonas, para os lares que muitas vezes os acolhiam, e muitas vezes os expulsavam. As luzes apagavam-se a uma certa altura e no silêncio da noite, com frio e com a barriga a dar horas, encolhia-me no banco e chorava. Os dedos gélidos nem tampouco possibilitavam-me de estudar ou tentar escrever a poesia que mais estimava.

Nos meus sonhos, tentava pedir uma salvação. Alguém que pudesse salvar-me, levar-me desta vida que tinha lutado imenso para ter. E as horas passavam. Os metros de uma em uma hora acordavam-me num sufoco. O coração batia-me no pescoço, todas as vezes. E tentava dormir assim. Encolhida, com frio, fome e dor nas costas. E continuava a aguentar. Afinal, ter uma vida melhor era o que movia-me todos os dias; era o que me tinha arrancado do teto que protegia-me da chuva e do relento; era o que fazia-me estar a dormir numa estação de metro por 5 anos.

E sem que desse conta, amanhecia e aquela luz que mais dava-me energia aparecia, para lembrar-me que era mais um dia para lutar pelos meus sonhos. Afinal, era isso mesmo que movia-me.

O que te move?

Sofia

18 anos e parece que já vivi mais do que isso. Afirmo que sou o que escrevo. Não há forma mais simples e mais elaborada de me descrever. Escrever para mim é viver. É libertar-me de tudo o que me incomoda, magoa e me impede de crescer. Apesar de micaelense, o meu coração sempre irá pedir pelo Porto, sempre será lá o meu ponto de reencontro, de recomeço. É lá onde tudo faz sentido. É lá onde espero viver. O resto? Basta lerem e descobrirão. 

28 comentários em “O que te move?”

  1. Acredito que tudo o que vivemos vem por alguma razão, com algum tipo de aprendizagem que precisamos de adquirir para posteriormente dizer: “afinal, aquilo serviu para este momento! “. E muitas vezes para conseguirmos chegar onde queremos.
    Obrigada pelo comentário!
    Beijinhoo

    Automatic Destiny

  2. Este texto é muito, muito forte.
    Eu também andei muito de metro e fiz grandes sacrificios para ter um curso… a ti, espero a melhor felicidade do mundo. Mereces!

  3. Percebo perfeitamente o que descreves aqui no teu post.. A vida de universitário não é nada fácil.. Mas vale a pena.. Adorei o teu texto.. 😊
    Beijinhos 😘

  4. Ficticio ou não, tem a mensagem certa e o toque perfeito para sensibilizar qualquer pessoa! Por vezes, ou melhor sempre, é melhor aquilo que conseguimos através de sacrificios, sabemos que o merecemos e lutamos por isso <3

    Um beijinho,
    piquimads

    piquimads.blogspot.com

  5. Que post duro.
    Dá a ideia de que muitas pessoas vivem na falsidade e têm dificuldades em encarar o real como ele é.
    Mas se calhar é fruto da sociedade em que vivemos.
    Mas está bem escrito.

  6. Incrível pensarem que isto é real quando nem conseguirias passar por isso. Afinal, quem tem dinheiro para esbanjar em domínios e iphones, tem dinheiro para um quarto, no caso de ir para uma universidade. 😼

    1. Sempre pensamos que é impossível passarmos pelas situações até que passamos pelas mesmas. No meu caso, felizmente, teria oportunidade de ter o conforto de um teto, porém há quem não tenha. Não me faz melhor do que ninguém, como estás a julgar. Fica feio só cá vires para despejar ódio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *