Foto Pinterest
Comportamento

Ele pode ser a luz que procuras

A minha última relação tinha terminado à sensivelmente 3 meses quando nos vimos pela primeira vez. O seu encanto pela natureza e a calma no olhar, fizeram-me admirá-lo ainda mais. O seu jeito meigo e envergonhado era fofo e deixava-me sempre carente por mais. Até que aquela frase soou de novo. Não estava preparada, de facto, para ela, nem para o que iria acontecer depois da mesma ser proferida, só sabia que o meu coração resignava-se a ser magoado uma vez mais e que a minha mente ainda no pós-traumático gritava-me para ter piedade. Como poderia negar amor a alguém que ajudava-me em tudo? Que era carinhoso e um dos homens que mais admirava no mundo? O seu olhar, expectante ainda ficou por uns bons minutos a brilhar, enquanto tentava gesticular as palavras que saíam sem som.

Como poderia abrir o meu coração, a mais um hospedeiro? Seria tudo igual quanto antes? Iria ele magoar-me como os outros? No seu olhar via-o por inteiro, sem sombras e sem farsas. As suas ações eram de alguém maduro e que sabia o que queria na sua vida e as suas convições eram pensadas muito bem. Estava num impasse. Perderia a sua amizade se negasse o seu amor, ainda que o quisesse na minha vida? Ou abriria mais uma vez, a minha casa e deixaria ele entrar e se acomodar?

Por uns minutos pensei em silêncio. O seu telemóvel passou a ser o seu campo de visão e enquanto respondia e-mails pensei se seria ele o homem que queria na minha vida. Se era, como iria abrir as portas para um novo amor? Como o faria depois de tudo o que tinha passado?

Parei. Respirei fundo e fluí. Aceitei o seu carinho, entreguei-lhe o meu amor, mas avisava-lhe o estado pesaroso em que o meu peito estava. Subtilmente sorriu-me. Ele curaria as minhas feridas e não iria fazer mais machucados na casa que o recolheu para amá-lo.

Por vezes, o medo que temos de abrir o nosso coração faz com que não sejamos capazes de viver um amor verdadeiro na sua intensidade. Hoje, olho para trás e penso se tivesse negado. Como estaria a minha vida agora? Monótona? Estaria solitária e amargurada? Por isso, aconselho-te a dares o pouco que tens à pessoa que acreditas ser “o homem que sonhaste“, pois ele pode cuidar-te bem melhor do que os outros “babacas“. Ele poderá ser a luz que procuras.

Por Alícia, 27 anos, Portugal.
Quer ver o seu texto aqui? Envie-nos um e-mail!

6 comentários em “Ele pode ser a luz que procuras”

  1. Devemos abrir-nos para quem sentimos conforto, faz, amor. Se nunca aceitássemos ninguém estaríamos sozinhos, e é tão bom ter companhia 🙂
    O amor é assim, faz-nos sentir leves e desejados. Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *