Foto: Julia Caesar / Unsplash
Textos

O melhor para ti.

Quando ela te murmurou os seus sentimentos por ti, engoliste em seco. E aí, decidiste que o melhor a fazer era afastares-te dela. Deixar que ela te esquecesse, que os seus sentimentos se desvanecessem e que conseguisse seguir a sua vida, como se nunca te tivesse conhecido. Aí, o que pensaste que fizeste de benéfico para ela, só se tornou no pior que poderias fazer. Deixaste de pensar nela. No que poderia querer, na forma como esse afastamento repentino a poderia deixar desolada, quebrada, solitária, depressiva. 

Os sentimentos que nutria por ti, morreram dentro de si. Não lhe foram arrancados, para que nada mais pudesse sentir. Eles continuaram lá, fazendo-lhe uma tortura, cada vez mais forte, de dia para dia. Ao contrário do que se poderia esperar, ela não foi endurecendo. Deixou que a dor a consumisse por inteiro, deixando que o seu corpo fraco e frágil não saísse mais da cama que insistentemente a acolhia. E foi quebrando e quebrando e quebrando. O sangue foi correndo. Pouco a pouco. Gota a gota, até não restar nenhuma. 

Na tua cabeça, o que fizeste foi o melhor para ela, quando só foi melhor para ti. Pensaste, como sempre, no teu próprio umbigo. Não tiveste um pingo de consideração pela amizade e por tudo o que havia sido feito por ti, não tiveste qualquer tipo de piedade ou sequer pensaste, uma vez que fosse, que provavelmente, o que tinhas feito não era o mais acertado. Foste cruel, desumano. 

Os sentimentos podem desfalecer. Podem morrer dentro da gente. Se são esquecidos? Claro que não. Os amores não se esquecem. Eles ficam marcados para sempre no nosso coração, como uma cicatriz permanente. Não há pomada ou comprimido que cure. E o tempo? O tempo demora a colaborar. A dor começa a sufocar e o corpo teme em não aguentar. E ela se foi. Se foi com a dor e os sentimentos, que teimosamente, ainda sentia a pulsar dentro de si. 

E tu? Tu continuaste a achar que fizeste o melhor para ela. Pois é, quem é egoísta e desumano pensa sempre que está certo. O teu certo transformou-se num suicídio. Agora aplaude o teu belo trabalho. Já conseguiste o que querias ou o plano não correu exatamente como previas? 

(E vais engolir em seco de novo, afastar-te e fingir que nada aconteceu. É o que os cobardes, como tu, fazem.)

2 comentários em “O melhor para ti.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *