Foto: Priscilla Du Preez / Unsplash
Textos

Já vi tanto (des)amor por aí

Em todas as esquinas do bairro encontro algum casal de namorados. Alguns discutindo alto, outros se ameaçando, outros apenas beijando e de mão dada. Todos carregam uma alegria e felicidade passageira, por vezes, até falsa. Pensam que são felizes, que precisam do seu par para se manterem completos. Coitados, andam tão perdidos por aí, que nem sabem o que sentem, fingem e mentem. Vivem uma mentira que se chama amor.

Já vi tanto (des)amor por aí. Tanto “amo-te” falado da boca para fora, tanta falsa reciprocidade, quando nas costas dos parceiros traem, estão desiludidos e infelizes. Há falta de amor próprio em cada pessoa que alcanço, de felicidade, de descoberta pelo que realmente importa. O amor é tão confundido hoje em dia. Poucos vivem o verdadeiro amor. Muitos são aqueles que fingem saber, agem como se o sentissem, vivem a mentira ao máximo e terminam por ficar só, uma e outra vez. Porque o amor verdadeiro, aquele que realmente conseguimos sentir no peito, esse não morre de um dia para o outro e não nasce de uma semana para a outra. Há relacionamentos que começam e terminam na mesma semana, no mesmo mês. Foi falta de amor. (E depois queixam-se, por isso mesmo.)

As pessoas não andam à procura de amor, mas sim de companhia. A ideia de estarem sozinhos parece-lhes absurda demais para aceitarem. Ao não saberem estar sozinhas, nunca irão ser amadas como merecem. Há que saber estar primeiro sozinho e só depois aprender o que, verdadeiramente, significa amar e ser amado.

Os sentimentos devem ser sentidos e não fingidos. As palavras não devem ser ditas sem razão, principalmente se forem demonstradoras de sentimentos. O amor não deve ser confundido com atração. Há tanto amor falso em cada esquina que me questiono se essas pessoas que fingem, sabem que, apesar de caminharem com alguém, estão vazias. Vazias de honestidade, de amor próprio, de amor. E depois magoam-se devido a (des)amores que nem deveriam ter começado, porque nunca existiram, na realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *