Foto: Riccardo Mion / Unsplash
Textos

Não tenhas medo de ter medo

Eu queria que não existissem medos em nós. E não, isto não é mais um texto de amor. É só um texto sobre pessoas.

Não termos medo de sonhar seria uma das coisas mais bonitas do mundo. Podíamos dormir descansados e acordar ainda mais descansados porque o pior de um sonho é mesmo acordar.
Não termos medo de tentar. Tentar sempre para um dia correr bem, mas também não atirar simplesmente o barro à parede para ver se cola. Seria só insensível.

Não termos medo de alturas seria bonito para subirmos mais alto na vida. Não termos receio principalmente da queda e da dor que essa nos traz. Arriscar é subir, apreciar a vista e fazer dela morada.

Não vestir uma roupa porque vão julgar, vão pensar, por isto e aquilo. Viver cada um no seu quadrado e não ter medo de ser quem somos. Porque se cada um fosse quem quer, ninguém se julgaria porque só julga quem tem medo de si próprio.

Não ter medo do fim. Por vezes perdemos o caminho, ou a vida, ou a relação, ou até só um momento de prazer com medo do fim, do amanhã, do mais tarde. As coisas começam, acontecem e acabam. E ter medo do fim é um método de acelerar o metabolismo das coisas, nem chegamos nem findamos. Hoje dá sol e não é por amanhã talvez chover que vou andar com o guarda-chuva atrás.

Não ter medo da morte. Mas é preciso respeitá-la, saber que existe, que chega até para eternizar mais as coisas de momento. Saber que pode terminar talvez seja bom na intensidade que damos às coisas. E as pessoas não sabem amar sem ser para sempre, se não, não é amor.

Mas principalmente, que as pessoas não tivessem medo de ter medos, receios, hesitações, momentos de fracasso. Faz parte, aceita. Aceita que há dias que não são os dias certos para nada. Aceita que podes chorar, desabafar. Aceita que o céu é azul, será por algum motivo que não é cor de rosa todos os dias. Porque a vida não é cor-de-rosa. Nem todos os dias vês o sol, nem as estrelas. Mas o sol está lá, as estrelas, a lua, só que eles também se escondem e são fenómenos.

E eu tenho medo do escuro e mesmo assim amo a noite.

7 comentários em “Não tenhas medo de ter medo”

  1. Há um medo que particularmente não gosto, que me causa desgosto e que assombra, todos os dias, do humano ser, o rosto: é o medo da opinião alheia em relação a algo que a ninguém causa mal, fazer então algo a contragosto.

    É um medo que deixa o meu eu mal disposto e que, sinceramente, juro que com ele não posso. Se a ninguém faço mal, porque hei de ter medo de fazer algo que gosto só porque deixa o aglomerado social indisposto?!

    Pois, contra este medo riposto…. Mas na luta contra a maré do pressuposto, parece que, dos meus, sou a única que nado no sentido ao deles oposto…

  2. Ter medo é uma defesa, ter medo de viver é ter experiência de vida e saber que o mundo não é perfeito.
    Tudo tem um “mas” e por vezes é complicado aceitar. Mas a verdade é que a vida não seria tão bela se esses medos não existissem. Só não podemos deixar que nos controlem. Adorei o teu blog, continua a escrever de forma belíssima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *