Foto: Francisco Moreno / Unsplash
Reflexão

Se todos soubéssemos agradecer

Eu não sei bem o porquê, mas todo o mar e céu que vejo, me dá vontade de escrever sem parar. Às vezes, só pela tranquilidade que transmite, outras pelo que estou sentindo no momento e umas tantas, apenas para refletir. A vida tem tantas coisas bonitas e uma que adoro e contemplo é o céu e o mar. As cores que cada dia nos presenteia.

Hoje foi primeiro dia do mês e ainda que doente, desanimada e cansada em geral, pela semana que tinha tido (e ainda não tinha terminado), olhei o céu vermelho escaldante e acalmei, automaticamente. Era um novo dia, um novo recomeço. Ainda que estivesse rouca demais para falar, ainda que tivesse múltiplas soluções por encontrar, problemas por resolver e uma data de coisas para refletir. Tudo ficou calmo. Eu fiquei calma, perante todo o cenário que a natureza me oferecia, gentilmente, sem nada pedir de volta.

Às vezes, o que nos falta é isso. Dar sem esperar algo em troca. Agradecer por cada dia. Sermos gratos por estarmos vivos, por conseguirmos levantar-nos sem ajuda de alguém, por termos trabalho e o nosso cérebro estar funcionando diariamente, sem falhas. Parecem coisas simples, não é? Contudo, as coisas simples também se agradecem. Não é por as termos sempre (atualmente) e não sentirmos falta delas que são menos importantes.

Se todos soubéssemos agradecer mais, em vez de reclamar, talvez fossemos mais felizes. A vida pode estar a correr mal, podemos estar a cometer erros atrás de erros, a não desapegar de alguém tóxico ou até podemos estar afónicos de tão doente estarmos. Por mais razões que tenhamos para desistir já, para amuar, que essas mesmas sejam capazes de nos fazer lutar. Para mudá-las. Se lutarmos para resolvermos os nossos problemas, para sermos melhores pessoas, para seguir os nossos sonhos, conseguimos transformar um problema em algo bom. Todos os problemas só o são até estarem resolvidos. Depois são esquecidos, como todos os outros. Tratemos de tirar uma lição de todos eles e assim não poderão cair em esquecimento. Tratemos de arranjar soluções e não um problema para cada solução.

Às vezes, penso que sou demasiado ingrata, por não agradecer tanto quanto deveria. Por não agradecer o facto de ter o que tenho. Parece que reclamar está sempre em automático e nem sempre conseguimos ver isso tão nitidamente. É por isso que devemos agradecer até pelo sol que nos queima a pele e o céu que temos ao nosso alcance. O ar puro, a comida, a paz, a família. Andamos, infelizmente, a agradecer as coisas erradas.

2 comentários em “Se todos soubéssemos agradecer”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *