Foto: Andrew Amistad / Unsplash
Textos

feições e qualidades irreais

Andei desenfreado por todos os lugares conhecidos e desconhecidos. Isento de vontade própria continuei. Avistava aquele vulto esbelto, com o cabelo ao vento e corria, tentando alcançá-la. A corrida parecia inútil, pois sempre estava a metros consideráveis de mim. Ainda assim, sem nem ligar ao que deixava para trás, continuei, cegamente, atrás daquela silhueta.

Por vezes, via-lhe os lábios carnudos pintados de castanho escuro. Parava, observava e assim eu ganhava balanço, mas não vantagem. Não conseguia ficar suficientemente perto para olhá-la.

Uma gargalhada soava e ecoava no ar gélido que se fazia sentir. Nem por um segundo tirava os olhos de si. Tinha um medo tremendo de que, num piscar de olhos, a perde-se no horizonte. Parecia estar tão longe de mim, mas ao mesmo tempo, tão perto. Era alcançável – julgava que sim. Estava difícil a caminhada, mas quando a sua voz ecoava, dava-me força para continuar.

Ainda que não lhe reconhecesse todas as feições, sentia que a conhecia, em alguns aspectos. Em alguns dias, não se era tão claro, essa crença. De vez em quando, parava para pensar nas qualidades que conseguia listar sobre si. Apaixonara-me por uma gargalhada característica, por um cabelo castanho rebelde e por uma voz que reconheceria em qualquer lugar. Contudo, não conseguia saber ao certo até quando a conseguiria seguir e não entender o porquê de não ver o seu rosto sempre com as mesmas formas.

Segui um fantasma. Nunca conheci, verdadeiramente, a miúda que seguia, sem nem pensar em parar. Temia só de pensar em tudo o que deixara para trás. Como voltar? Como seguir em frente quando esta caminhada aconteceu e mudou tudo?

Aprendera mais do que pretendia, isso era certo. Por vezes, pensamos que conhecemos as pessoas como as palmas das nossas mãos. Todavia, há algumas que usam máscaras. Embelezam-se de mentiras e fazem-nos apaixonar por feições e qualidades irreais. Quem me dera ter percebido mais cedo, que avistava-me do abismo, a cada passo que dava para alcançar-lhe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *