Foto: Pinterest
Textos

Palavras, levo-as eu.

Tanta coisa fica por dizer o tempo inteiro. Porque amanhã não vai ser tarde. Porque agora tenho que ir ali e agora não posso. Deixamos que passem momentos e oportunidades. Deixamos as palavras mais bonitas de amor irem com o vento. E os desabafos mais sinceros na almofada em vez do abraço sincero de alguém.

Falta a coragem, a voz fraqueja, a mão treme. E é tão mais fácil dar meia volta e voltar para trás. É sempre mais fácil ignorar o elefante gigante que está ao nosso lado, do que falar. Falta tempo dizem os mais mentirosos. Falta coragem admitem os mais fortes.

Porque as palavras ferem e a tua liberdade termina assim que tocas na liberdade do outro. Mas nunca sabes se a outra pessoa vai estar disposta a ouvir. E há dias em que és tu quem não está disposto a ouvir isto e aquilo. Nem a dizer.

Escondo o medo dentro das mangas da camisola e mordo o lábio. Escrevo mais uma frase de um texto que um dia sei que te vou mostrar. Comparo-te com tudo e mais alguma coisa só para não dizer o que sinto a ti. Sabes que…. Sabes que amanhã vai chover. E eu só queria dizer que te queria mais 2 minutos, como tantas vezes disse que queria fumar aquele cigarro que tanto detestavas.

E tanta coisa ficou por dizer, de costas voltadas. Escritas em versos de folhas que deixei queimar na cinza perdida da mesa do café. Essa mesa do café onde estavas mesmo ao meu lado. Mergulhados num silêncio ensurdecedor. E não existem entrelinhas na voz para leres. Nem o meu olhar te conseguia falar, pois olhar te os olhos era cair numa armadilha de me despir. E eu nunca me despi para ninguém.

Quem levou as palavras não foi o vento, fui eu. Eu levei-as presas na minha garganta, a sufocar, a gritarem por socorro mas tu não ouviste. O tempo não espera pelos atrasados nem pelos apaixonados. E eu perdi-me nas horas que passava contigo e adiei o que hoje pesa. Porque o que não dizemos pesa, o que não sabemos dói e o os se’s da vida matam.

E agora é tarde. O relógio não acerta mais duas vezes ao dia, nem espera que eu chegue ao teu abraço para te mostrar o que não sei dizer. Porque estamos em margens diferentes e o elefante gigante ocupou o nosso lugar.

As palavras não as leva o vento, levo eu e o vento me leva a mim para bem longe de ti. Porque tinha tanto para te dizer, mas as palavras mais bonitas de amor… Desculpa mas não tenho mais tempo. E amanhã é tarde e eu não posso passar por aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *