Foto: Bianca Castillo / Unsplash
Textos

De que valeu?

Despedi-me de ti, naquela tarde em que o sol já não se encontrava no horizonte e a praia já estava vazia. Depois de todo o esforço e batalhas travadas apercebi-me que provavelmente, estaria melhor sem ti. Estava triste ao não te ter como queria.

Contudo, meses se passaram e cada vez que me deito só consigo pensar em ti. Ainda há muita bagagem tua deixada em mim e por mais que quisesse que esses destroços fossem destruídos e levados pelo mar, nada muda. Ele não consegue contaminar-me e levar as provas de que um dia passaste por mim.

Nunca deveria ter deixado este amor chegar tão longe. Isto nunca deveria ter interferido com a nossa amizade. Agora para além de ter um coração partido, perdi o meu melhor amigo.

Pensei incalculáveis vezes em esquecer-te e superar-te. Pensei que se beijasse umas quantas bocas e dormisse com uns quantos corpos que me esqueceria dos teus traços. Pensava que esqueceria a tua voz, a tua pele, o controle e todo o efeito que tens sobre mim.

Senti-me ainda mais vazia e isenta depois de todas estas tentativas frustradas. Persisti durante muito tempo em preencher um vazio que era só teu. O lugar pertence-te e sem ti não pode ser ocupado, deixando uma ferida demasiado grande para carregar.

De que valeu? De que valeu virarmos costas? Ninguém teve culpa, então porque continuamos a viver assim? Porque continuo morrendo por dentro tendo tanto de ti por preencher? Mas isso não importa. nada disso importa agora que te deixei e que me viraste as costas sem nem hesitar. Nunca importou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *