Foto: Tumblr
Textos

Ele não era feito para ficar.

Gostava de cada dia passado com ele, da adrenalina que me fazia sentir em cada aventura juntos, mas ele não era feito para ficar. O objetivo dele era voar, nunca parar por muito tempo, em nenhum lugar. O único lugar onde ele sempre ficava era no meu coração, onde morava ausente há muito tempo.

Deixei que a carência me levasse a aceitá-lo por todas as vezes em que voltava, me desafiando para mais umas noites de adrenalina e amor. Só que nunca foi amor. Era apenas um escape, uma lufada de ar fresco. Era isso que eu era para ele.

No nosso último voo de helicóptero, quando paramos disse, num murmúrio, que era a nossa última viagem juntos. Jamais nos veríamos novamente, por opção nossa, jamais iríamos mergulhar nos braços um do outro, faríamos amor ou nos aventuraríamos por caminhos desertos e incertos. Incerteza foi sempre o que a nossa relação foi. Não foi amizade, nem namoro. Foi pura e simples carência.

Despedi-me de si, ambos chorando, porque a dor de saber que jamais estaríamos como, até agora, estivéramos era demasiado grande para suportar sem chorar. E antes que pudesse finalmente virar as costas e encerrar mais um capítulo da minha vida, com a diferença que fora inesquecivelmente maravilhoso, beijou-me intensamente e abraçou-me por demasiado tempo. Parecia uma eternidade, que ficava gravada assim, nas nossas memórias para sempre.

Ele dizia que não fora feito para durar, que não conseguia permanecer muito tempo na vida das pessoas que gostavam dele. Enganou-se. Ele permanecerá sempre em mim. Enquanto viver, continuarei lembrando-me de cada aventura nossa, de cada brincadeira, de cada vez que fizemos amor intenso e permanecemos agarrados, como se o mundo começasse e acabasse unicamente naquele quarto, naquela cama.

Ele apenas não fora feito para amar, nem ser amado. Nasceu apenas para se aventurar, vir e partir, nunca para florescer, em todas as estações. Ele só conseguia viver as que mais gostava e nem sempre é verão. Há que saber viver no inverno e na primavera.

Despedi-me com imensa tristeza mas soube, desde início, que seria o melhor para os dois. Há amores que não foram feitos para ficar e o nosso era um deles. Ficaria apenas na memória, uma história que começou e acabou tão abruptamente, da forma mais extraordinária, intensa e inesquecível. Mas até as melhores histórias terminam e a nossa não podia ser diferente, porque dois precisam querer ficar. Dois precisam amar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *