Foto: Pinterest
Reflexão Textos

Bilhete de ida.

Não sei para onde vou. Nunca soube bem. Carrego em mim todos os sonhos do mundo nas algibeiras e às vezes perco-os. Mas apanho outros e acrescento como se fosse um poço sem fundo. Apanho um comboio sem destino e de repente perdi-me de novo nas paisagens da vida. Mas, o que será o certo afinal?

Nunca percebi bem o que era suposto ser neste mundo dos grandes. Disseram-me que tinha que pensar num futuro estável, mas afinal o que é a estabilidade? Será isso mesmo possível num mundo que anda sempre em torno do infinito? Acreditava que tinha que ter sempre o batom certo, a postura certa, o destino certo e sem isso seria apenas uma perdida, sem rumo, que acabaria por aí. Falavam em sinceridade e no mesmo momento que a sinceridade magoa. Afinal, o que tenho que ser?

Eu. Tenho que ser apenas eu própria, seguir os meus tantos sonhos e ser gigante com eles. Permitir-me ser o que eu quiser para ser alguma coisa. Quando somos apenas uma coisa, a certa, dizem eles, não somos nada. Falta essência, experiência, cicatrizes e feridas que olhamos e aprendemos que tudo passa, tudo se cura, tudo termina um dia. A vida é mesmo assim, porque até esta mesmo acaba um dia. Não quero fazer tudo, não quer atingir o limite, não quero ser a melhor, quero apenas ser melhor e ser conquista, diária.

Não quero chegar à meta tão cedo, nem saber o destino, isso é meio caminho andado para dar tudo como garantido e ficar por aqui, se hei de lá chegar. Não quero saber quando é o fim, quero aproveitar todos os fins, todos os fins de dia, de noite, de tudo. Não sei quem quero ser para os outros, para a sociedade, quero ser feliz e já não peço pouco. Mas na realidade o que nos move mais que querer ser felizes? Não corro por nada na vida, até já perdi um avião, mas pessoas, por essas corro até ao fim do mundo se tiver que ser. Porque são as pessoas que nos alimentam a alma, que nos fazem sonhar. Não há melhor lugar do que um bom ombro onde sonhar, amar e viver.

Eu não faço ideia para onde vou, mas tenho a certeza que não quero voltar de onde parti, nem ficar aqui. Há um mundo lá fora e eu estou pronta para ser feliz, não quero que fiques, mas vens?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *