Foto: Pinterest
Reflexão

Ser criança.

Como é possível termos sido tão sábios enquanto crianças e sermos tão estúpidos enquanto adultos? Parece que nascemos com todas as lições e fomos perdendo-as ao longo do percurso.

O amor que era dado livremente, que já era amor antes de sabermos o que significava, agora é tão falado mas tão pouco sentido. Desaprendemos a amar, a dar ao outro o melhor que temos, a partilhar, a gostar, a viver. Estamos reaprendendo a viver em sociedade, a conviver com outras pessoas, a criar novas amizades.

Hoje em dia, é difícil manter uma amizade e começar uma, quando antes era somente partilhar os brinquedos e já nos tornávamos amigos do próximo. Não era estritamente necessário saber o nome daquele nosso amigo, bastava-nos sê-lo, durasse o que durasse, sem ter medo do dia seguinte.

Éramos sábios, pois não contávamos os dias, não esperávamos pelo dia X ou Y. Queríamos? Fazíamos. Não haviam dias especiais, pois essa falta de informação, só os tornavam a todos eles especiais, todos únicos.

Éramos alegres e mais felizes porque ligávamos a muito pouco e o pouco bastava para sermos pessoas felizes. O pouco dava-nos tudo e agora tudo dá-nos um redondo nada.

Como gostava de voltar a ser criança e a preservar todas as lições com as quais já nasci sabendo e não deixar que a humanidade me entupisse com ideias estúpidas e desconexas de uma realidade ficcional.

Todos podemos ser felizes. Todos éramos felizes, até nos preocuparmos demais, até nos importarmos demais, até tudo ter de ter um significado e todo o amor ser cobrado.

Era tão simples ser feliz, sendo criança. Hoje em dia, pagamos pela felicidade, da forma mais absurda e dura. Custa ser feliz? Como, se antes bastava acordar e vestir a nossa roupa favorita? Éramos felizes com os detalhes e hoje não prestamos atenção a eles. Afinal, alegria e tristeza sempre estará nos detalhes. É pena estarmos tão atarefados, que não nos possibilitamos vê-los.

Todos nascemos com a capacidade de amar, só que foi-nos desinstalada com a entrada na sociedade. Como era bom, ser criança de novo e desligar o botão da sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *