Lifestyle Reflexão

Abranda a mente.

Hoje decidi acalmar a mente. Acordar ao som do meu sono, deslistar todas as minhas tarefas, fazer tudo conforme o dia corresse. Libertei a minha mente de esforços e esboços irreais de um dia como devia de ser. Mas nunca é.

Passamos a semana entre a correria do que deve ser, do que tem que ser e daquilo que temos mesmo que fazer. Não há tantas, mas tantas vezes, espaço para um café fora de sítio, um beijo mais prolongado e mais 5 minutos de cama. Que sentimos falta de sair da linha, romper o que devia ser. Acalmar a alma, o relógio e a ansiedade de ser tudo como deve de ser.

Corremos tanto durante a semana, de cabeça ocupada entre obrigações e papeladas, que quando abrandamos o passo e levantamos a cabeça nem sabemos onde estamos. E culpamos o tempo que passou tão rápido, culpamos o trabalho que nos entope a vida. E culpamos a vida porque não nos permite viver. Andamos ao som do vento, do metro e do comboio de todos os dias. Temos fome quando já sentimos aperto na barriga e nem as borboletas no damos ao trabalho de alimentar. Culpamos tudo, mas nem a nós mesmos damos tempo de culpar. “Maldito 2020 e este vírus maluco“.

A ansiedade é fruto de todas estas correrias, linhas irreais que construímos para a nossa vida e objetivos que sabemos que não conseguimos alcançar. Porque nos desiludimos? Porque nos colocamos demasiada ilusão nas costas e o peso não nos permite ir tão longe quanto nos colocamos à prova. Eu prefiro pensar pequenino e todos me julgam por isso. Porque as pessoas de sucesso são ambiciosas, porque todas elas lutam muito, porque todas elas chegam ao seu limite em pouco tempo. Mas alguém já lhes perguntou se são felizes? Realizadas? Ou saudáveis? Se sabem o que as rodeias ou quem as rodeia?

Eu não quero ir a lado nenhum se for sozinha. Não quero chegar longe se não souber por onde passei. O destino é o limite, mas a viagem é um conjunto de experiências e bagagem que não pesa, só acrescenta. Não quero ir a lado nenhum se não for para chegar lá mais eu, mais rica, melhor. Eu sou ambiciosa dentro do real, do sonho e de mim. Nem todos nascemos para ser lideres, nem ricos, nem os melhores do mundo. Mas todos nascemos para ser a nossa melhor versão, o nosso melhor eu, o melhor do mundo para alguém. Mas acima de tudo, para sermos felizes, por dentro e por fora.

Por isso, abranda, alonga a mente, levanta a cabeça e dá uma olhada à tua volta. A vida vai muito além do planeado. Deixa-te ir, vir e ficar, acima de tudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *